segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

MELÃO CAETANO, UMA PLANTA SIMPLES QUE CONSEGUE MATAR ATÉ 98% DE CELULAS CANCERIGENAS E TAMBEM FREARA A DIABETES


Uma planta simples e comum que prolifera em todo território brasileiro, considerada uma erva daninha, recebe  atenção de estrela.
Muita gente que passar por terrenos baldios e matagais já deve ter visto essa plantinha que se alastra naturalmente, mas poucos sabem reconhecer sua importância e utilidades. O melão-de-são-caetano é uma planta do gênero botânico Momordica, pertencente à família Cucurbitaceae. É muito conhecido como “melãozinho”.Eu estou sempre buscando por substâncias que dão uma “chave de braço” no metabolismo peculiar das células cancerosas. É vital que essas substâncias matem as células doentes e deixem as saudáveis intactas. Já falei sobre algumas de minhas descobertas científicas no passado, como o resveratrol, chá verde, seanol e outros. Mas hoje eu vou lhes falar sobre outra planta que seguramente mata o câncer de fome com tanta eficácia quanto uma quimioterapia.  (Na verdade, funciona inclusive no câncer de pâncreas, um dos mais difíceis de se combater).
A planta é um vegetal comum  originário da Ásia e que tem o nome de melão amargo (Momordica charantia – no Brasil, pode ser conhecido como melão-de-são-caetano), sendo popular na região de Okinawa, no Japão, e presente em todo nordeste do Brasil.O suco do vegetal, na concentração de 5% em água mostrou ter um potencial assombroso de lutar contra o crescimento dos quatro tipos de cânceres pancreáticos pesquisados, dois dos quais foram reduzidos em 90%, e os outros em incríveis 98% apenas 72 horas após o tratamento! Apoptose
 
Já comentei em outros artigos a respeito da apoptose, que é a resposta natural de um organismo em lidar com células fora do comum – que simplesmente suicidam. O suco induziu essa morte programada por vários caminhos diferentes. Um desses caminhos foi o de colapsar o metabolismo de alimentação por glicose das células doentes, ou seja, privou-as do açúcar que elas necessitam para sobreviver.
 
Será que esses estudos de laboratório também servem para animais vivos? A resposta é um sonoro “sim”! Pesquisadores da Universidade de Colorado aplicaram doses em ratos que seriam proporcionais a humanos, e eles apresentaram uma redução em 64% do tamanho de seus tumores, sem efeitos colaterais. Esse nível de melhora ultrapassa os alcançados atualmente com o uso de quimioterapia para um tipo de câncer tão letal.
O fruto em remédios para diabetes
O responsável pela pesquisa na universidade, Dr Rajesh Agarwal, observou o costume chinês e indiano de usar o fruto em remédios para diabetes. Vendo que esta doença tende a vir antes do câncer pancreático, o doutor associou as ideias, criando novos rumos nas investigações existentes.
A dose utilizada foi de seis gramas de pó do melão amargo para um adulto de porte médio (75 quilos). Os grandes laboratórios e companhias farmacêuticas buscam encontrar petroquímicos patenteáveis que obtenham o mesmo resultado que Deus colocou nesse vegetal.
Eles ficam boquiabertos como uma planta tão despretensiosa consegue desnutrir o câncer sem precisar de nenhuma química complexa.
 
No centro médico da Universidade de Saint Louis, a Dra. Ratna Ray, Ph. D. e professora de patologia, liderou pesquisas similares, testando primeiramente em células de câncer de mama e próstata e depois experimentando em cânceres da cabeça e pescoço, que embora representem 6% apenas dos casos, são agressivos e se espalham facilmente, começando por vezes pela boca, garganta, nariz.
Com efeito, após quatro semanas de tratamento controlado em animais, o volume e crescimento dos tumores reduziu. A doutora ressalta: “É difícil medir o resultado exato do tratamento com o extrato de melão amargo no crescimento das células, porém combinado com as terapias e remédios existentes, pode auxiliar na eficácia do combate ao câncer.”
Pesquisadores descobriram recentemente que a síndrome metabólica é amenizada pelos benefícios no metabolismo glicólico. Ótimas notícias, pois não se destrói o câncer por uma via só, e eu acredito que deve ser multifocal: em outras palavras, fortalecer o sistema imunológico, desintoxicar, eliminar infecções dentais e materiais tóxicos dos dentes, alcalinizar o organismo, oxidar o corpo com terapia com oxigênio, e prover nutrientes específicos para dar uma “chave de braço” nos caminhos particulares do metabolismo do câncer.
Todas as células cancerosas mostram uma produção anormal de energia que utiliza fermentação ineficiente de glicose. O melão amargo pode ser um excelente aliado ao combate dessa produção de energia anormal.
O artigo original pode ser conferido aqui.
PS. Este texto foi traduzido e adaptado do artigo original, escrito pelo Dr. Frank Shallenberger, e o link dessa versão encontra-se no final da matéria. Trata-se de uma tradução livre do artigo escrito em primeira pessoa publicado por Shallenberger.
Acompanhe outras informações:Melão de são caetano tem poderes que você nem imagina - Por Helena Emília
O melão de são caetano, conhecido cientificamente como momordica charantia, é uma planta que faz parte da família das cucurbitaceae e é originária de partes como leste da Índia e sul da China.
No Brasil, também vem a ser reconhecido por nomes populares como :
erva de São Caetano;
fruto de cobra;
erva das lavadeira;
e melãozinho.
Tratando-se de características, é uma trepadeira de cheiro não muito agradável que possui flores amareladas ou esbranquiçadas,folhas palmatífidas e fruto dourado que abre-se em válvulas enrugadas como falsos espinhos, possuindo carnosidade mole em seu interior, que torna-se amarelo avermelhada quando madura.O melão de são caetano pode ser facilmente encontrado em locais como pomares, hortas, cafezais, cercas, alambrados e terrenos baldios.Desde a antiguidade já era utilizado na medicina, principalmente pelas tribos existentes na Amazônia. As lavadeiras utilizavam esta erva como clareador de roupas e tirador de manchas em geral.
Propriedades medicinaisPossui função: Adstringente, afrodisíaca, aperitiva, estomáquica, anticarbunculosa, anti-helmínticos, anti-hemorroidário, antidiabética, antimicótica, antifebrífugos, antivenéreos, antileucorréico, anti-reumática, antiflatulenta, anticatarral, antipirética, cicatrizante, colerética, depurativa do sangue, emenagoga, emético, emeto-catárquico, emoliente, estomáquico, febrífuga, hemostáticos, hipotensora, hipoglicêmica, laxante, purgativa, rubefaciente, supurativa, vomitivos vermífugo e vermicida.
Quando a erva pode ser indicadaSeu uso é recomendado em casos de: Afecções biliares, catarata, cólicas abdominais, colite, cravos, dartro, dores de ouvido, dor reumática, escabiose, enxaquecas, febre, fígado, hemorroidas, infecções da pele, irrigação vaginal, leucorréia, malária, menstruações difíceis, mordida de serpentes, morféia, problemas de pele em geral, picadas de insetos, problemas gástricos, pruridos, queimaduras, resfriado, reumatismo, úlceras malignas e vermes.
Modos de usar o melão de são caetano
  •  Seus frutos cozidos agem em casos de vômitos e doenças venéreas.
  •  Pode ser feito cataplasma com seus frutos maduros em casos de problemas hemostáticos.
  •  O suco de suas folhas secas é eficaz em casos de problemas eméticos, purgantes, mordidas de serpentes e afecções biliares.
  • Sua raiz é um potente adstringente.
  • A decocção de suas folhas é utilizada em afecções dermatológicas
  • Uma forte infusão de suas folhas ajuda em casos de escabiose, picadas de insetos, malária, pruridos e úlceras malignas.
  • Infusão da planta inteira serve para resfriado.
  • Realizar infusão de 10g de suas folhas em estado seco em 1 litro de água serve para tratamentode leucorreia, menstruações difíceis e cólicas causadas por vermes.
  • A infusão de seu fruto é bastante indicada para tratar hemorroidas.
  • Fazer suco de suas folhas amassadas junto à óleo de amêndoas é bastante eficaz tratando-se de queimaduras. Já o seu suco puro age em caso de sarna.
Melão-de-São-Caetano – Momordica charantia
Na Amazônia, as populações locais e tribos indígenas cultivam o melão-amargo para utilizá-lo como alimento e medicamento. Medicinalmente, a planta tem uma longa história de uso pelos povos indígenas amazônicos. O chá da folha do melão-amargo é utilizada para diabetes, expelir gases intestinais, promover a menstruação, e como um anti-viral contra o sarampo, hepatite e febre. Usado topicamente para lesões, feridas e infecções e, internamente e externamente para vermes e parasitas.
Na medicina herbal brasileira, o melão-de-São-Caetano é utilizado para tratar tumores, feridas, reumatismo, malária, corrimento vaginal, inflamações, problemas menstruais, diabetes, cólicas, febre, vermes. É também usada para induzir o aborto e como afrodisíaco. É um remédio tópico para a pele para tratar vaginite, hemorroidas, sarna, erupções cutâneas, coceira, eczema, hanseníase e outros problemas de pele. 
No México, toda a erva é usada para diabetes e disenteria, sendo a raiz um afrodisíaco renomado. Na medicina natural peruana, as folhas ou partes aéreas do melão-amargo são usadas para tratar o sarampo, malária, e todos os tipos de inflamação. 
Na Nicarágua, a folha do melão-de-São-Caetano é comumente usado para dor de estômago, diabetes, febres, resfriados, tosse, dores de cabeça, malária, problemas de pele, distúrbios menstruais, dores, hipertensão arterial, infecções, e como uma ajuda no parto.
O melão-amargo possui uma série de substâncias químicas, incluindo triterpenos, proteínas e esteroides. Além disso, a momordina, proteína encontrada na planta, têm demonstrado atividade anticancerígena contra o linfoma de Hodgkin em animais.
Outras proteínas presentes na planta, a alfa-momorcharina, beta-momorcharina e a cucurbitacina B, foram testadas quanto a possíveis efeitos anticancerígenas. Um análogo químico destas proteínas foi desenvolvido e patenteado como “MAP-30″, vez que estudos demonstraram a capacidade de inibir o crescimento de tumores de próstata. Duas destas proteínas, a alfa e beta-momorcharina também têm obtido sucesso em inibir o vírus HIV. No estudo, as células infectadas tratadas com alfa e beta-momorcharina mostraram uma perda quase completa de antígenos virais, enquanto as células saudáveis permaneceram em grande parte inalteradas. O inventor do “MAP-30″ apresentou uma outra patente que afirmou que era útil para o tratamento de tumores e infecções de HIV. Além disso todas as partes do melão-amargo apresentam capacidade de diminuir os níveis de açúcar no sangue, sendo útil para o tratamento do Diabetes mellitus. Essas propriedades químicas que reduzem o açúcar no sangue são encontradas com maior abundância no fruto do melão-amargo e são uma mistura de saponinas esteroides, conhecidas como esteroide-charantina, insulina, peptídeo C e peptídeo insulinotrópico glicose-dependente (GIP), além de alcaloides.
Contraindicações e efeitos colaterais do melão-amargoO melão-amargo reduz os níveis de açúcar no sangue e possui efeitos abortivos e anticoncepcionais.História e curiosidades
O melão-amargo cresce em áreas tropicais, incluindo partes da Amazônia, África Oriental, Ásia e Caribe, sendo cultivada em toda América do Sul para o uso em forma de alimento ou medicamento. A Momordica charantia é uma planta trepadeira, com origem do sul da China e leste da Índia. O seu fruto é oblongo de coloração verde quando fruto novo e muda para uma cor mais alaranjada quando maduro.
As folhas são membranosas, pilosas, lobadas com cinco até sete lóbulos e lisas. Mordica em latim significa mordida, uma referencia as bordas da folha dessa planta, que parece que foi mordida. A Momordica charantia faz parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS), constituída de espécies vegetais com potencial de avançar nas etapas da cadeia produtiva e de gerar produtos de interesse do Ministério da Saúde do Brasil. 
DESCRIÇÃO:O Melão-de-São-Caetano (Momordica charantia), é uma planta medicinal também conhecida comoerva-de-São-Caetano, melãozinho, fruto-negro, balsamina (espanhol), pomme de merveille (francês),papailla, balsam pear e bitter melon (inglês), dentre outros nomes populares. Pertence a família das Cucurbitáceas. As principais aplicações para o melão-de-São-Caetano o uso no tratamento do diabetes, redução dos níveis elevados de colesterol e triglicéridos, úlceras de H. pylori e como ajuda digestiva para gases, inchaço, dor de estômago e digestão lenta causada por parasitas intestinais.
Usos Tradicionais do Melão-de-São-Caetano: abortos, anemia, asma, coceira, colite, comichão, constipação, contusões, corrimento vaginal, cálculos renais, câncer de mama, cólicas, dermatoses, diabetes, diarreia, disenteria, distúrbios menstruais, distúrbios pulmonares, doença celíaca, doenças do fígado, dor abdominal, dor de cabeça, dor de estômago, dores, eczema, erupções cutâneas, esterilidade (feminino), estimulante de apetite, febre, feridas, feridas na pele, função intestinal, gota, gravidez, gripe, halitose, hemorroidas, hepatite, hidrofobia, hiperglicemia, hipertensão, icterícia, impotência, infecções, infecções nos olhos, inflamação do fígado, inseticida, insuficiência renal, lepra, leucemia, malária, parasitas intestinais, parto, pedras nos rins, picada de cobra, pneumonia, prisão de ventre, problemas de pele, problemas de vesícula, problemas hepáticos, problemas menstruais, problemas pulmonares, problemas renais, psoríase, pus, queimaduras, resfriados, reumatismo, rinite, sarampo, sarna, tosse, tumor, urticária, vaginite, vermes.
Propriedades Medicinais do Melão-de-São-Caetano: 
amargo, antibacteriana, anticancerígeno, antifúngica, antileucêmica, antiparasitário, antiprotozoária, antitumoral, antiviral, anti-fertilidade, anti-inflamatório, anti-malária, anti-séptico, hipoglicêmico, carminativo, estimulante digestivo, estimulante imunológico, estimulante menstrual, febrífugo, hipotensor, lactagogo, vermífugo.
Na Amazônia, as populações locais e tribos indígenas cultivam o melão-de-São-Caetano em seus jardins para utiliza-lo como alimento e medicamento. Eles utilizam a fruta e as folhas no feijão e na sopa para dar um sabor amargo ou azedo. Medicinalmente, a planta tem uma longa história de uso pelos povos indígenas amazônicos. Um chá de folha é utilizada para diabetes, para expelir gases intestinais, para promover a menstruação, e como um anti-viral contra o sarampo, hepatite, e estados febris. Ele é usado topicamente para lesões, feridas e infecções e, internamente e externamente para vermes e parasitas.
Na medicina herbal brasileira o melão-de-São-Caetano é utilizado para tratar tumores, feridas, reumatismo, malária, corrimento vaginal, inflamações, problemas menstruais, diabetes, cólicas, febre, vermes. É também usada para induzir o aborto e como afrodisíaco. É também usada como um remédio tópico para a pele para tratar vaginite, hemorroidas, sarna, erupções cutâneas coceira, eczema, hanseníase e outros problemas de pele. No México, toda a erva é usada para diabetes e disenteria, a raiz é um afrodisíaco de renome. Na medicina natural peruana, as peças de folha ou aérea da planta são usados para tratar o sarampo, malária, e todos os tipos de inflamação. Na Nicarágua, a folha do melão-de-São-Caetano é comumente usado para dor de estômago, diabetes, febres, resfriados, tosse, dores de cabeça, malária, problemas de pele, distúrbios menstruais, dores, hipertensão arterial, infecções, e como uma ajuda no parto.
O melão-de-São-Caetano possui uma série de substâncias químicas, incluindo triterpenos, proteínas e esteroides. Além disso, a momordina, proteína encontrada na planta, têm demonstrado clinicamente atividade anticancerígena contra o linfoma de Hodgkin em animais. Outras proteínas presentes na planta, a alfa e beta-momorcharina e a cucurbitacina B, foram testadas quanto a possíveis efeitos anticancerígenas. Um análogo químico destas proteínas foi desenvolvido e patenteado como ? MAP-30?, vez que estudos demonstraram a capacidade de inibir o crescimento de tumores de próstata. Duas destas proteínas, a alfa e beta? momorcharina também têm obtido sucesso em inibir o vírus HIV. No estudo, as células infectadas tratadas com alfa e beta-momorcharina mostraram uma perda quase completa de antígenos virais, enquanto as células saudáveis permaneceram em grande parte inalteradas. O inventor do ?MAP-30? apresentou uma outra patente que afirmou que era útil para o tratamento de tumores e infecções de HIV.
Além disso todas as partes da Momordica charantia apresentam capacidade de diminuir o açúcar no sangue, sendo útil para o tratamento contra o Diabetes mellitus. Essas propriedades químicas, que baixam o açúcar no sangue são uma mistura de saponinas esteroides conhecidos como esteroide-charantina, insulina, peptídeo C e peptídeo insulinotrópico glicose-dependente (GIP), além de alcaloides. Essas propriedades químicas são encontradas com maior abundancia no fruto da planta.
Efeitos Colaterais e Contraindicações do Melão-de-São-Caetano
O melão-de-São-Caetano reduz os níveis de açúcar no sangue e possui efeitos abortivos e anticoncepcionais.
História e Curiosidades
O melão-de-São-Caetano cresce em áreas tropicais, incluindo partes da Amazônia, África Oriental, Ásia e Caribe, é cultivada em toda América do Sul para o uso de alimentos, bem como de medicamentos. É uma planta trepadeira, com origem do sul da China e leste indiano. Essa planta cresce em áreas tropicais na Ásia, no leste da África, nas ilhas do Caribe e na região Amazônica. O seu fruto é oblongo de coloração verde quando fruto novo e muda para uma cor mais alaranjada quando maduro. As folhas são membranosas, pilosas, lobadas com cinco até sete lóbulos e lisas. Mordica em latim significa mordida, uma referencia as bordas da folha dessa planta, que parece que foi mordida.
Planta Medicinal do SUS
A espécie Momordica charantia faz parte da Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS), constituída de espécies vegetais com potencial de avançar nas etapas da cadeia produtiva e de gerar produtos de interesse do Ministério da Saúde do Brasil. A finalidade da RENISUS é subsidiar o desenvolvimento de toda cadeia produtiva relacionada à regulamentação, cultivo/manejo, produção, comercialização e dispensação de plantas medicinais e fitoterápicos.
De origem asiática, foi trazido da África pelos escravos. Esse cipó é muito comum em cercas e entulhos de terrenos abandonados. Seu fruto cor de ouro com espinhos moles na superfície se abre espontaneamente em 3 partes, quando maduro mostra suas sementes vermelhas comestíveis de grande beleza e paladar suave, muito apreciado pelas crianças.
A infusão dos frutos maduros é boa para curar hemorróidas. 
As folhas desta planta eram usadas pelas lavadeiras para clarear a roupa. 
Os escravos usavam o seu chá em banhos que facilitavam o parto e baixava febres.
No Brasil, os frutos são consumidos principalmente pela comunidade nipo-brasileira. São colhidos e vendidos verdes em feiras livres na cidade de São Paulo onde se concentram estas comunidades. Podem ser consumidos também em alguns restaurantes japoneses mais tradicionais.
São popularmente conhecidos entre eles como nigauri, nigagori ou goya, sendo esta última denominação utilizada pelos descendentes provindos da província de Okinawa, onde consome-se muito este fruto. Seu nome Melão-de-são-caetano se deve aos escravos que se estabeleceram na região das minas auríferas e plantaram ao redor de uma capelinha em Mariana. O padroeiro da capela era S. Caetano e os frutos parecidos com melão. Daí o nome Melão de São Caetano.
INDICAÇÃO: Chá de Melão de São Caetano é útil para tratamento de diabetes, diarreia, resolutiva, febrífugo, cólicas abdominais, colite, menstruações difíceis, problemas gástricos, resfriado e reumatismo.
USO EXTERNO: Eczemas, ferimentos, furúnculos, tumores e piolhos.
COMO FAZER: Coloque 2 colheres de sopa de erva para um litro de água, quando a água alcançar fervura, desligue. Tampe e deixe a solução abafada por cerca de 10 minutos. Em seguida, é só coar e beber.
COMO BEBER: Tomar de 2 a 3 xícaras ao dia.
OBS.: Antes de utilizar para finalidades terapêuticas, consulte um fitoterapeuta.

6 comentários: